Casa da Mãe Joana

 

  VAI FOLGAR, TRABALHADOR!
por Marli Gonçalves - 28/04/2014

Faltando pouco mais de um mês para a Copa do Mundo, esse evento que está nos deixando ansiosos para ver no que vai dar, a grande conversa é se vai ter ou deixar de ter feriado, onde, quando, de que horas a que horas. E como em ano de política tudo pode acontecer, creio que serão muitos dias de não trabalho neste país que está mais parecendo um tatu bolinha, se enrolando todo, tropeçando em pedras.
Vai trabalhar, vagabundo! O título do filme nacional virou expressão popular... Trabalha, trabalha, nego... A estrofe de Terra Seca, musica de Ary Barroso, 1943, virou lamento ou até ironia quando somos obrigados a trabalhar mais, um pouquito mais, e principalmente quando nos pedem um daqueles trabalhos que não são bem nossos, aquela abusada de chefe, e lá vamos resignados cantarolando o trecho da música que, completa, é triste de fazer chorar de tanta pena do nego véio moiado de suor, sua rotina e velhice.
Trabalho. É interessante pensar no Trabalho, assunto de mil facetas e formas, inclusive de leis da Física, onde significa movimento, - e por que não dizer? - da religião. São Paulo está forrada de cartazes de charlatãs e charlatões, se dizendo videntes, mestres ou gurus, prontos , oferecendo-se para fazer um trabalho que consiga o que o desesperado (só pode estar desesperado para procurar uns caras desses) do consulente deseja. Trabalho que é trabalho em umbanda e candomblé tem nome mais bonito. Chama oferenda. Mas aí alguém que queira saber mais, que faça um trabalho, de pesquisa, de escola. Ou de campo, que é quando a pessoa tira a derrière da cadeira e vai ao local dos fatos. Não confundir com trabalho do campo, rural, bucólico e pesado.
Para tudo o que a gente faz e precisa é necessário trabalhar. Até para não fazer nada é preciso trabalhar, certo esforço. A gente também trabalha muito pensando. Para nascer, quem está dentro trabalha para sair; quem está fora trabalha para empurrar, fazer nascer - é o trabalho de parto, o trabalho que enaltece a mulher, especificamente. Sem concorrências.
Por falar nisso, andei ouvindo uns dados sobre trabalho, emprego, desemprego, taxas, e a briga das estatísticas e pesquisas divulgadas pelos governantes desse país maravilhoso que aparece na tevê, um tal Brasil. Nele, tudo só e bom; se acreditarmos no que comerciais com modelos sorridentes informam não há problemas na saúde, nem na educação, muito menos na habitação. Todo mundo tem crédito a hora que quer, sorri, e a inflação é só da nossa imaginação. Sem violência, sem medo, tudo limpinho. Como é que é mesmo? Pais rico é país sem pobreza. Será que só eu acho esse slogan o óbvio ululante, parecido demais com os confusos discursos da timoneira? Vejam bem...
Mas quero falar de umas preocupações sobre o que ouvi de orelhada. Não haveria tanto desemprego entre jovens porque eles estão ficando mais em casa, só estudando, bancados pelos pais? As mulheres - que tanto lutamos para poder sair para o mercado de trabalho de igual para igual, etc. e tal - estão fazendo as contas e descobrindo que ficar em casa tomando conta dos filhos é mais econômico? É isso mesmo? Confere, minha gente?
Não tem alguma coisa errada nisso? Não nas decisões das pessoas, mas nos fatos que as obrigam a isso. Os gastos com transporte e alimentação fora de casa, crescentes. Estudantes que, se estiverem na de aprender mesmo, têm de passar mais tempo estudando? Ou, por outro lado, moçada apática que fica esperando herança, gastando o que tem, sem perspectivas, sem desafios? Uma geração BBB que só pensa em ser famosinho, modelo, aparecer na tevê, cantar funk, puxar ferros? Todo mundo buscando uma imensa loteria. Trabalho que e bom, nada de pitibiribas. Aquele tal de Hércules devia ser um chato, sem ter o que fazer, sem redes sociais, sem baladas, sem rolezinhos.
Pouco sobrou do oficio, do amor ao que se faz, o capricho no fazer, a gentileza no trato com o público, no serviço público e no privado. Quem adquire experiência é escorraçado do mercado, e depois flana porque já tem idade - mesmo que hoje se veja tantos rompendo 70, 80 com pleno vigor.
Por outro lado, para quem pega no pesado, a situação continua triste. Sindicatos atrelados, sugando contribuições e não entregando. Condições de trabalho e salários baixos, sem formação técnica, sem incentivos. Assédio moral, sexual, total. "Ande na linha", "olha que a coisa tá preta ai fora", "se você não quiser, tem quem quer, uma fila". Nesses últimos tempos está um tal de dar férias coletivas toda hora que não é nada bom; é a famosa folga que o trabalhador passa rezando, e para voltar ao mesmo posto. Não vende, não produz, não vende; não compra, nem produz. Chicote maluco.
Não. Folga. O feriadão está aí, e este agora é o dia que todos os políticos ou candidatos põem as manguinhas de fora, em palanques, falando aos trabalhadores, invariavelmente atraídos até ali por causa dos shows populares, ou sorteios. Prometem aumentos, fazem juras de amor.
Os feriadinhos, o montinho do legado pela Copa, também já estão sendo gestados nos gabinetes, e serão ótimos para refrescar os ânimos que andam quentes ou secos, tanto quanto os reservatórios. O comércio está a-do-ran-do, para não dizer o contrário, essa brincadeira com o calendário.
São Paulo, 2014
Marli Gonçalves é jornalista - Tanto tempo trabalhando, ouviu contar sobre uns tais frutos. Onde é que a gente os recolhe?
E-mails: marli@brickmann.com.br e marligo@uol.com.br
Tenho um blog, Marli Gonçalves, divertido e informante ao mesmo tempo, no marligo.wordpress.com.
Estou no Facebook. E no Twitter @Marligo.
 

 

 

Marli Gonçalves

 
Jornalista, diplomada, observadora social, comportamental e casual da vida, consultora, articulista e trabalhadora. Com 30 anos de carreira, é atual Diretora da Brickmann&Associados Comunicação, B&A, onde atua especialmente com gerenciamento de crise na área de comunicação e assessoria de imprensa. Trabalha diretamente com o jornalista Carlos Brickmann. Fez tudo o que podia e quer fazer muito mais. Na área de consultoria e comunicação empresarial atuou como gerente de imprensa da multinacional AAB, Hill and Knowlton do Brasil (Grupo Standard, Ogilvy & Mather). Trabalhou como repórter ou editora em veículos como Jornal da Tarde, Rádio Eldorado e Veja SP. Participou ainda de publicações como Nós , Mulheres, Singular & Plural, Revista Especial, Gallery Around ( com Antonio Bivar), Novidades Fotóptica, A-Z, Vogue... Como assessora política, trabalhou com o então vice-governador de São Paulo Almino Affonso, e em campanhas eleitorais para Fernando Gabeira e Roberto Tripoli,entre outros. Em 2008 começou a escrever artigos e crônicas que vem sendo publicados por alguns dos principais sites do país. Inaugurou um blog – o Casa da Mãe Joana, que pode ser acompanhado no www.conteudo.com.br/marli. No twitter: twitter.com/MarliGo. E no site da B&A, www.brickmann.com.br

02/05/2014   O JOGO COMEÇOU DIVERTIDO.
LANCE OS DADOS QUE É SUA VEZ.
28/04/2014   VAI FOLGAR, TRABALHADOR!
22/04/2014   EU QUERO UMA PRA VIVER
12/04/2014   VIRAMOS AVESTRUZES. PARECE.
05/04/2014   QUANDO O QUE A GENTE QUER DIZER NÃO TEM PALAVRAS
30/03/2014   FÚRIAS, FURIOSAS FÚRIAS
21/03/2014   50 ANOS DA MALDITA E O RESTO DE NOSSAS VIDAS
15/03/2014   CISMAS DE OUTONO
08/03/2014   RUGAS
01/03/2014   MULHER. SIMPLES ASSIM.
 



Edison Ragassi
Aceleradas
Eduardo Abbas
Coluna do Borracha
Eduardo Abbas
Sétima Arte
Fernando Calmon
Alta Roda
Marli Gonçalves
Casa da Mãe Joana
Percy Faro
Autos & Fatos
Roberto Nasser
DE CARRO POR AÍ
Tarcisio Dias
Mecânica Online®
Vito Zanella
Vale a pena conferir

   

 

 

2004–2013 © Coisas de Agora. Todos os direitos reservados.